Blog do Cb Adilson

domingo, 28 de fevereiro de 2010

APREENSÃO DE DROGA EM PESCADOR

Militares do DST PM de PESCADOR/MG, foram informados anônimamente que o autor GERALDO MAGELA MARTINS DOS SANTOS, 27 ANOS, PROFISSÃO DESOCUPADO, RESIDENTE À RUA ESPIRITO SANTO 215, BAIRRO FRANCISCO PAULINO, PESCADOR, FILHO DE VANTUIL MARTINS DOS SANTOS E SRª FRANCISCA DE FÁTIMA DOS SANTOS, estaria vendendo drogas, GURP composta pelos Cabos Edson Barbosa de Sousa, Hildácio Gustavo Koch, e SD Dermier Poubel Bondi, deslocou para o local, e quando se aproximavam da "BOATE MURUAMA CLUBE", o autor Geraldo, percebeu a presença dos militares e tentou evadir, porém foi abordado e em poder do mesmo os militares apreenderam 17 (Dezessete) papelotes de Cocaína e R$406.00 (Quatrocentos e seis) reais em dinheiro, tendo o autor relatado aos militares que o proprietário da droga era o individuo LUIZMAR FARIA, 27 ANOS,  RESIDENTE À RUA BRASILIA 66, BAIRRO ALVORADA, PESCADOR/MG, PROFISSÃO FUNCIONÁRIO PÚBLICO MUNICIPAL, FILHO DE JOSÉ LUIZ FARIA E SRª ANGELA MARIA FARIA, que foi localizado no interior da "BOATE PIT STOP", e ao ser abordado foi encontrado em poder deste, um papelote de Cocaína, o qual disse aos militares que juntamente com o autor GERALDO MAGELA, deslocaram-se até a cidade de Governador Valadares/MG, onde comprou 10 (Dez) gramas da droga e autor Geraldo Magela, comprou o valor equivalente a quantia de R$500.00 (Quinhentos) reais, da mesma droga, de um indivudo de nome "RODRIGO". Autores foram presos em flagrante e juntamente com a droga e dinheiro apreendido, foram encaminhados a DEPOL de Itambacuri/MG.
Operação em Itaobim apreende drogas e armas.
 
Diante de denuncias anônimas de constantes trocas de tiro, e trafico de drogas na ruas amazonas e tupinambás nesta data foi montada operação policial para combater a pratica ilícita mencionadas, foram escalados militares paisana (velado) que ficaram monitorando a ação dos marginais, em quantos outros policiais fardados realizaram busca em indivíduos suspeitos. Repentinamente em meio à operação foram ouvidos dois disparos de arma de fogo, momento em que os militares velados avistaram o indivíduo conhecido por “sula” sair correndo da rua tupinambás em direção a um matagal ali existente portando uma sacola na mão. Rapidamente foram acionados os militares fardados sob comando do 2° TEN Dávio que procedeu a abordagem ao autor, sendo encontrado em seu poder um revolver calibre .32 municiado com 05 (cinco) cartuchos intactos, e ao verificar no local onde o autor adentrou (matagal) foi encontrado uma sacola plástica contendo em seu interior 114(cento e quatorze) pedras de crack, 56 (cinqüenta e seis) buchas de maconha, um coldre para revolver .32 e um capuz preto. Ao verificar uma casa abandonada nas proximidades foi encontrado um revolver calibre .38, municiado com 3(três) cartuchos do mesmo calibre. Vale ressaltar que o autor é apontado em denuncias anônimas como o “braço direito” do nacional Maicon Bruno Souza Lima, vulgo “Bruninho casca” que já possui varias passagem por trafico de drogas nesta localidade. E que de acordo com informações o outro revolver encontrado abandonado pertence ao nacional Jaelmo Simões Barbosa, que evadiu ao notar a presença policial e não foi localizado. Não foi possível arrolar testemunhas no local visto que segundo informações as pessoas ali residentes são simpáticas a ação criminosa do autor. Diante os fatos foi dada voz de prisão em flagrante delito ao autor e conduzido a Depol juntamente com todo material apreendido. Fato ocorrido a 650 km da capital mineira
 
 
GRUPAMENTO DE RIO DO PRADO E MAMB
RECUPERA ARMA E MUNIÇÃO FURTADA

Apreendido 01 Espingarda Bereta 0.20 dois canos; 02 cartuchos
.20 deflagrados; 04 cartuchos .20 intactos; 71 cartuchos .38
intactos; 01 blister .38; 01 canivete suiço cor prata; 01 canivete
sem marca; 01 porta canivete de couro; 04 facões; 01 faca; 02
bainhas de couro para facão, 03 quadros de bicicleta; 01 galfo;
01 relógio de pulso metálico; 01 jaqueta azul; 01 máquina de
cortar cabelo.
No dia 16 de Fevereiro, na cidade de Rio do
Prado, a Policia Militar desencadeou
diversas diligências e incursões urbana e
rural na tentativa de recuperar produtos
furtados, com informações repassada pela
vitima, chegando a localização de Nilson
José dos Santos, 25 anos, (autor) que
confessou estar de posse de matérias
furtados e conduziu a equipe da Policia
Militar ao local onde todo material furtado
fora escondido.
A espingarda e suas respectivas munições
(cartuchos) foi recuperada em poder do
Jorge Pereira da Cruz, 20 anos, que havia
comprado a arma do Nilson José,
considerando que a equipe da Policia
Militar não cessou o rastreamento do autor
desde o acontecimento do fato, o autor
juntamente com o receptador, foram
presos em flagrante delito e conduzidos
para providências subsequentes.
Extraido do INFORMATIVO 44

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Pimentel ajudou a financiar mensalão do PT, diz revista

Coordenador da campanha de Dilma teria usado obra superfaturada em BH para pagar Duda Mendonça
estadao.com.br
Tamanho do texto? A A A A
Recursos teriam origem em contratos da Prefeitura de BH durante a gestão de Pimentel
Hélvio Romero/AE - 29/01/2010
Recursos teriam origem em contratos da Prefeitura de BH durante a gestão de Pimentel
SÃO PAULO - O ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel (PT), que é um dos coordenadores da campanha Presidencial da ministra Dilma Rousseff (Casa Civil), teria ajudado a financiar o mensalão do PT, segundo informações do processo do Supremo Tribunal Federal (STF) que investiga o esquema, obtidas pela revista IstoÉ. De acordo com a reportagem publicada na edição desta semana do semanário, documentos da Procuradoria da República de Minas Gerais indicam que Pimentel teria superfaturado contratos da prefeitura de Belo Horizonte para pagar gastos de campanha do PT.
Veja Também
linkPimentel diz ser vítima de calúnia
linkProcurador nega denúncia no mensalão
lista Em nota, ex-prefeito se defende
linkPresidente do PT diz confiar em Pimentel

A publicação afirma ter tido acesso ao processo judicial com 69 mil páginas contendo laudos sigilosos da polícia federal, relatórios reservados do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), pareceres da Receita Federal e outras representações criminais que tramitam sob segredo de justiça em vários estados. Segundo a revista, os documentos demonstrariam a origem estatal de parte dos recursos do mensalão petista. O processo, que corre sob segredo de Justiça no Supremo Tribunal Federal (STF), dará embasamento para o voto do relator do caso, ministro Joaquim Barbosa.

Segundo a revista, Pimentel teria ligações com o empresário Glauco Diniz Duarte e com o contador Alexandre Vianna de Aguilar, investigados pelo Ministério Público pelo envio ilegal aos Estados Unidos de US$ 80 milhões. Parte do dinheiro teria servido de pagamento para o publicitário Duda Mendonça, que trabalhou na campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2002.

Os recursos remetidos ao exterior teriam origem em contratos superfaturados da Prefeitura de Belo Horizonte com a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) durante a gestão de Pimentel (2005-2008), para a implantação do Projeto Olho Vivo, de instalação de câmeras nas ruas da capital mineira. De acordo com a reportagem, o procurador da República Patrick Salgado Martins defende em sua denúncia que o convênio seria um "ardiloso estratagema para desvio de dinheiro público com a finalidade de saldar as dívidas de campanha do partido em território alienígena".

Para enviar o dinheiro aos EUA, Pimentel supostamente depositava na conta da empresa Gedex International, de propriedade de Glauco Diniz Duarte, que era diretor da CDL na época. Em seguida, os recursos seriam transferidos para a conta de Duda Mendonça. De acordo com os documentos a que IstoÉ teve acesso, a Gedex teria recebido no Exterior mais de US$ 30 milhões.

Fórum Social Mundial

Segundo a reportagem, depoimentos de testemunhas feitos em juízo provariam ainda que parte dos recursos provenientes do mensalão teriam custeado atividades privadas de interesse partidário, jogando por terra a versão, sustentada pela defesa petista, de que o dinheiro seria usado exclusivamente para pagar despesas de campanha.

Um dos destinos dados para esse dinheiro seria o envio de uma mala com R$ 1 milhão à executiva regional do PT do Rio Grande do Sul. O dinheiro teria sido usado pelos dirigentes estaduais do PT para pagar dívidas históricas acumuladas durante a realização do Fórum Social Mundial, criado por movimentos de esquerda e organizado pelo PT de Porto Alegre.

Os documentos supostamente reúnem ainda vários depoimentos de políticos e empresários que comprovam o pagamento de propina a deputados da base aliada do PT. Partidos como o PTB de Roberto Jefferson, ex-deputado responsável pelas primeiras denúncias do mensalão, o PL e o PP são citados nos laudos.

Maçonaria: PEC 300 é apoiada por Maçons de todo Brasil‏

A maçonaria (forma reduzida e usual de francomaçonaria) é uma associação de caráter universal, cujos membros cultivam a filantropia, justiça social, aclassismo, humanidade, os princípios da liberdade, democracia e igualdade, aperfeiçoamento intelectual e fraternidade, é assim uma associação iniciática, filosófica, filantrópica e educativa.
1 DSC09674

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Ele virou mulher. Ela não quer deixá-lo

sáb, 20/02/10
por Martha Mendonça |
categoria Uncategorized

foto2
A britânica Andrea Fletcher sempre foi a feliz companheira do respeitado escritor e jornalista John Ozimek e mãe de Rafe, 5 anos. O parceiro sempre foi tudo que ela desejou: gentil, honesto, inteligente, pai dedicado – não só ao filho do casal, mas também às filhas do primeiro casamento de cada um deles, Natasha, de 16 anos, e Meg, da mesma idade.
Após o último Natal, porém, John apareceu com uma novidade: nunca foi feliz sendo homem. Quer ser uma mulher. E já tem um nome: Jane Fae.
Andrea foi pega de surpresa. Ficou confusa. Mas, com o tempo, de acordo com a matéria de hoje do Daily Mail, simplesmente aceitou a mudança. “Ele pode continuar sendo o que sempre foi. E eu continuo a amar essa pessoa, não importa se é homem ou mulher”, afirmou. Andrea já comprou roupas de mulher para John…digo, Jane, e também um perfume feminino.
foto1
Ela conta que durante um bom tempo o companheiro andou distante e calado e ela sabia que ele tinha algo a dizer. “Pensei que ele me contaria que tinha alguma doença horrível ou que iria nos abandonar. Mas, no fim, era isso. Confesso que até fiquei aliviada”, disse Andrea. “Não vou abandonar minha alma gêmea”, garantiu, na entrevista.
O menino Rafe estranhou o pai vestido de mulher. “Por que papai está usando uma saia?”, questionou. A mãe explicou: “Alguns pais vestem saias se assim desejarem”. O menino aceitou a explicação. Mas continua chamando “Jane” de pai. “E é o que ele é para Rafe”, diz Andrea.
Na rua, o casal já enfrenta o preconceito geral. “Duas moças passaram por nós no supermercado e começaram a rir da aparência de John. Fiquei com muita raiva e gritei para elas: pelo menos não são feias e gordas como vocês! Elas calaram a boca”, conta Andrea.
G1

domingo, 21 de fevereiro de 2010

Inglês é demitido por soltar muitos gases

Daniel Cambridge foi dispensado por telefone.
Colegas fizeram 35 reclamações formais sobre gases do jovem.
Do G1, em São Paulo
 
Um jovem inglês foi demitido por soltar muitos gases durante o expediente em Horninglow, condado de Burton (Reino Unido).

Foto: Reprodução/Burton Mail

Daniel Cambridge não conseguiu controlar gases no trabalho (Foto: Reprodução/Burton Mail)

Daniel Cambridge foi dispensado de seu emprego na rede de livrarias Waterstone depois que seus colegas fizeram 35 reclamações formais sobre sua constante flatulência.

O jovem de 27 anos admitiu que solta muitos gases e culpou os remédios antidepressivos que vem tomando há três semanas.

"Recebi uma ligação da agência que me contratou dizendo que eu não precisava mais ir trabalhar porque soltava muitos gases", disse Cambridge. "Me disseram que havia um e-mail da empresa informando meu desligamento por causa da flatulência".

Juízes acusados de desviar dinheiro para maçonaria


Procuradoria Geral da Repúbica recomenda aposentadoria compulsória de magistrados envolvidos em esquema para beneficiar Loja Grande Oriente do Mato Grosso
Presidente do TJ do Mato Grosso, Mariano Travassos, e outros nove juízes são acusados de desviar dinheiro do tribunal para a maçonaria
Catarine Piccioni, especial para o Congresso em Foco, e Eduardo MilitãoO procurador-geral da República, Roberto Monteiro Gurgel, recomendou ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que sejam punidos com a aposentadoria compulsória o presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Mariano Alonso Ribeiro Travassos, o ex-presidente da instituição José Ferreira Leite e mais oito magistrados do estado. Os dez são acusados de arquitetar e executar um esquema que desviou mais de R$ 1 milhão do tribunal para a entidade maçônica Grande Oriente do Mato Grosso (GOMT). O julgamento está marcado para a próxima terça-feira (23), no CNJ, em Brasília.
Além de Travassos e Ferreira Leite, são acusados o desembargador José Tadeu Cury e os juízes Marcelo Souza de Barros, Antonio Horácio da Silva Neto, Irênio Lima Fernandes, Marcos Aurélio dos Reis Ferreira, Juanita Duarte, Graciema Caravellas e Maria Cristina Simões.
O processo se originou na Corregedoria do TJMT. Segundo os autos do CNJ, tudo começou quando a entidade da maçonaria Grande Oriente do Mato Grosso criou uma cooperativa de crédito para seus irmãos associados. Era a Cooperativa de Crédito Maçônica, que atuava em parceria com a Cooperativa de Crédito Rural do Pantanal (Sicoob Pantanal). O grão-mestre da GOMT era o próprio presidente do tribunal, o desembargador Ferreira Leite.
Mas, em 2004, depois de vários depósitos em dinheiro, a cooperativa fechou. A Sicoob Pantanal foi descredenciada pelo Banco Central por indícios de irregularidades e falta de liquidez. Em crise, os maçons amargaram um prejuízo de R$ 1,17 milhão e passaram a tentar reduzir as perdas, inclusive recorrendo à Justiça.
Segundo o processo no CNJ, o problema começa aí. Os acusados Ferreira Leite, Tadeu Cury, Travassos, Souza de Barros e Reis Ferreira – valendo-se dos cargos que ocupavam no TJ durante a gestão 2003–2005 – receberam de forma privilegiada créditos oriundos do tribunal e determinaram o pagamento irregular de verbas aos demais magistrados. Trata-se de dinheiro de benefícios, como férias indenizadas e licenças-prêmio.
A denúncia é de que os créditos eram em valores indevidos. Mais: os desembargadores eram orientados a prestar socorro financeiro à Grande Oriente do Mato Grosso, ainda combalida com os prejuízos decorrentes da cooperativa fechada.
Ou seja, para cobrir o rombo da quebra da cooperativa, os recursos do tribunal teriam sido desviados por meio do pagamento de créditos aos juízes e desembargadores.
Verbas devidas
Procurados pelo Congresso em Foco, a maioria dos magistrados não se manifestou. A assessoria do Tribunal de Justiça do Mato Grosso afirmou que Travassos, o presidente da instituição, só vai se pronunciar depois do julgamento. A juíza Maria Cristina Simões diz que apenas ajudou amigos que queriam socorrer irmãos maçons, mas que o dinheiro era dela. Irênio Fernandes afirma que os créditos pagos eram legais, embora sempre tenham sido distribuídos sem critério objetivo.Os outros magistrados não retornaram os pedidos de entrevista. Mas, na defesa apresentada ao CNJ, negam ter cometido irregularidades. Na defesa, José Ferreira Leite afirmou ter ordenado o pagamento de verbas pendentes a todos os magistrados e que os valores recebidos por ele eram realmente devidos. Corregedor-geral à época, Mariano Travassos sustentou a inexistência de pagamento privilegiado aos magistrados e disse que não exercia a função de ordenador de despesas. José Tadeu Cury alegou não pertencer aos quadros de qualquer entidade maçônica e negou ter efetuado empréstimo à Grande Oriente. Juiz auxiliar da presidência à época, Marcelo Souza de Barros afirmou que nunca expediu qualquer ordem de pagamento a magistrados e que apenas transmitia pleitos ao então presidente. Também em defesa apresentada ao CNJ, Antonio Horácio da Silva Neto tentou demonstrar improcedência das acusações. Irênio Fernandes argumentou que os empréstimos concedidos à Grande Oriente foram legais e que nunca fez solicitações para receber créditos atrasados aos quais tinha direito. Marcos Aurélio Reis Ferreira negou vínculo entre o recebimento de seus créditos oriundos do TJ e o empréstimo à loja maçônica. Sobre o recebimento de créditos, Juanita Duarte alegou não ter havido qualquer favorecimento devido ao fato de pertencer ao quadro administrativo do tribunal na época. Graciema Caravellas também rechaçou a ideia de favorecimento e afirmou não ter recebido as verbas para emprestá-las à maçonaria. Já Maria Cristina Simões afirmou ter atuado com ética durante toda a sua carreira e que somente posteriormente soube que o dinheiro emprestado por ela foi utilizado para socorrer pessoas lesadas pela quebra da cooperativa.

Fonte: Congresso em foco



Videogame que treina a mira de policiais chega ao Rio no 2º semestre; G1 testou

Ao custo de R$ 640 mil, Amazonas é o 1º estado a ter o equipamento.
Policiais civis e militares do Rio ganharão três salas para aperfeiçoar o tiro.

O cenário é o mesmo de um filme de ação. Desconfiado, um policial grita para o suspeito: “Afaste-se do carro e coloque as mãos na cabeça”. O suspeito reage ao comando apontando a arma para o agente. O tempo é curto e a mira tem que ser precisa. Num único disparo o bandido cai no chão, morto. A ação policial é considerada um sucesso e o policial sai ileso.
A cena não se passa nas ruas ou favelas onde são comuns os confrontos, e sim numa sala escura em Manaus, onde um videogame de última geração dá vida a bandidos e simula as ações de combate do cotidiano dos grandes centros urbanos. O G1 foi até lá testar a tecnologia, que chegará ao Rio no segundo semestre deste ano. Três salas idênticas estarão à disposição de policiais civis e militares, que atualmente treinam em alvos de papel. O investimento previsto é de R$ 3 milhões.
Os ingredientes do videogame são os mesmos do dia a dia: o policial aborda o suspeito, tenta negociar sua rendição e, se ameaçado, acerta (ou erra) o alvo. O agente interage com o bandido durante todo o tempo.
Amazonas sai na frente

Bope e Força Nacional treinaram
É na Secretaria de Segurança Pública do Amazonas que seis telas num espaço em formato de hexágono projetam o que há de mais moderno na linha de simulação de ações perigosas. As imagens cobrem 360º. O objetivo é aperfeiçoar a mira de 10 mil policiais que atuam na região. O tiro, a laser, tem que ser certeiro para derrubar o inimigo virtual, que aparece em tamanho natural na tela.
“Esse sistema vai preparar melhor o policial para a segurança pública. Muitos turistas vão estar aqui na Copa de 2014 e temos que estar bem preparados. Foi um investimento de R$ 640 mil, mas os benefícios são inúmeros. Primeiro, custo e risco zero. Segundo, treinar bem os nossos policiais. Não serve para treinar pistoleiros, serve para treinar bons policiais que têm a consciência que a arma só deve ser usada em extrema necessidade, para defender a vida dele ou de terceiros. Outro benefício importante é corrigir a postura do policial. Cada cena é treinada exaustivamente e o policial só vai partir para o treinamento real, de estande de tiro, depois que ele corrigir todos os seus maus hábitos”, explica Francisco Sá Cavalcante, secretário de Segurança Pública do Amazonas.
Arma de verdade, tiro de mentira
O treino é feito com armas de verdade, mas a munição é de mentira. No caso das de pequeno porte, como as pistolas, as balas são substituídas por um cilindro de gás. Já os fuzis usam gás carbônico para simular o tiro. Se o policial erra o alvo e é atingido pelo inimigo, recebe um choque. Um cinto preso à cintura que dispara a descarga elétrica se encarrega de avisar que ele “morreu”.
O tempo de duração do treino virtual varia de 1 a 5 minutos e os cenários são inúmeros. O treino pode ser feito por um policial sozinho ou em grupos de quatro. O policial pode treinar a sua reação em situações como assaltos, operações policiais com helicópteros, ataques de gangues e roubo com reféns. Em Manaus, são cerca de 70 cenários que se desdobram em mais de 300, já que o instrutor pode escolher entre quatro possíveis desfechos. A ideia é surpreender o policial para que ele não saiba como o inimigo vai agir.
Também é possível criar novos cenários e adaptá-los a realidade de cada local.
“Temos aqui um ataque à tropa americana no Iraque e no Afeganistão, mas não usamos porque não faz parte do nosso dia a dia. Mas você pode fazer uma filmagem nova porque o sistema aceita. Você pode, por exemplo, filmar uma operação policial numa favela ou num morro do Rio e instalá-la no simulador para corrigir as distorções. O programa treina o policial para que ele tenha o reflexo de reagir corretamente. Ele tem poucos segundos para tomar a decisão de disparar ou não”, conta o coronel Max Lopes da Silva, um dos responsáveis pelo o uso do sistema no Amazonas.

PMBA - Policiais Militares são acusados de praticar pelo menos 14 pessoas.

Onda de violência em Vitória da Conquista começou em 29 de janeiro. Crimes só pararam depois que a polícia localizou um suspeito.
O Ministério Público da Bahia investiga o suposto envolvimento de policiais militares na morte de pelo menos 14 pessoas. Todas seriam vítimas de uma vingança. A onda de violência em Vitória da Conquista (BA) começou no dia 29 de janeiro, um dia depois que o policial militar Marcelo Silva foi morto com um tiro na nuca.

Os moradores de dois bairros dizem que viveram dias de terror. Além das mortes, casas foram invadidas e idosos, espancados.

As pessoas foram assassinadas em apenas três dias. Entre elas está um adolescente de 15 anos que, segundo testemunhas, foi levado à força por homens encapuzados e encontrado morto em um matagal perto da cidade. O corpo dele foi exumado nesta sexta-feira (19). Os peritos recolheram cinco balas, sendo duas na cabeça e três no peito. Outros três adolescentes estão desaparecidos.

Os crimes só pararam depois que a polícia localizou um suspeito da morte do PM. É um rapaz de 17 anos que, de acordo com os investigadores, tem envolvimento com o tráfico de drogas.

O Ministério Público criou uma força-tarefa com sete procuradores estaduais que começam a trabalhar na segunda-feira (22) em Vitória da Conquista na investigação dos crimes. Mas para o procurador-geral de Justiça da Bahia, não há dúvida de que policiais militares participaram dos assassinatos.

“As testemunhas, os sobreviventes, os familiares das vítimas, confirmam que havia viatura policial, havia policiais com fardas, e esses policiais foram reconhecidos“, ressalta o procurador-geral de Justiça da Bahia, Lidivaldo Brito.


Fonte: G1

É Uma Ordem! "Deixai Toda Esperança..."




Deixai toda esperança, ó vós que aqui entrais!




E assim está escrito na entrada do Inferno, onde Dante, na Divina Comédia, relata sua jornada. Quanto mais tempo Dante permanece e se aprofunda no Inferno, mais e mais as misérias humanas lhe são apresentadas de forma pitoresca.


Dante passa pelos vários círculos do inferno, onde os pecados (e pecadores) se mostram cada vez piores, à medida que ele entra. Ele vê a luxúria, a gula, os irados, os soberbos, os violentos, os aduladores (temos muitos desses), os embusteiros, os corruptos (também), os trapaceiros, os hipócritas, os ladrões e, finalmente, no local mais profundo e próximo do próprio Lúcifer, os traidores...



Infelizmente, essa visão terrível do inferno de Dante, é o que grande parte dos policiais honestos que conheço visualizam na Polícia. Sentem, como eu também sinto, que ao adentrar pelas "portas do inferno", deveriam ter cumprido o que lá estava escrito, e deveriam ter abandonado toda a esperança. E que, ao abandonar toda a esperança que tínhamos, termos a consciência e aceitarmos que quanto mais permanecêssemos e nos aprofundássemos, mais estaríamos próximos a Lucifer e seus pecados e pecadores.


Porém, felizmente, alguns não abandonam a esperança. Alguns ainda lutam para fazer a diferença e não deixam que os pecados e pecadores os modifiquem. Insistentemente eles se mantém de pé, contra todas as forças que os tentam derrubar.


Durante a jornada ao inferno assistimos alguns que conseguem, através de seus próprios méritos, sair daquele lugar e subir aos céus (talvez o purgatório também não seja tão mau). Hoje ouvi o relato emocionado de um conhecido, Oficial, com a voz embargada em lágrimas, dizendo que o sonho de seu pai, que é Praça reformado da PM, e depois o dele, era o de ser um Oficial da Polícia Militar. Que hoje, depois de ter caminhado pelo inferno durante vários anos, sem ter abandonado as esperanças como se determinava na porta que passamos juntos, finalmente desistiu de ser policial militar.


As palavras dele, repito, embargadas pelas lágrimas, foram exatamente que: "Eles conseguiram destruir o sonho da minha vida e a do meu pai. Hoje eu só quero sair daqui".


Essa é a Polícia do Rio de Janeiro. Esses são os homens e mulheres de bem que temos nela, e que não querem mais ficar.


Triste? Talvez. Mas mais triste é o fim dos outros. Os que obedeceram no começo e abandonaram as esperanças. Esses nunca sairão, nunca se postarão contrários. Eles permanecerão, durante muito tempo, sem reclamar, sem questionar, sem se importar, somente adentrando nos círculos do inferno.





Triste fim é o deles.
Extraido do blog do capitão Luiz Alexandre do Rio de Janeiro

sábado, 20 de fevereiro de 2010

PMMG: Lançamento dos veículos blindados e passagem de comando conjunta

Na manhã de hoje, 19, a Polícia Militar promoveu o lançamento oficial dos veículos blindados adquiridos pela Corporação. A cerimônia contou ainda com a passagem de comando conjunta do Batalhão de Polícia de Guardas, Batalhão de Polícia Militar Rodoviária, GATE e Companhia de Meio Ambiente.
O evento contou com as presenças do Comandante-Geral da PM, Coronel Renato Vieira, do Comandante do Policiamento Especializado - CPE, Coronel Sandro Teatini, autoridades civis e militares.

Assumiu o comando do Batalhão de Polícia de Guardas, o Tenente-Coronel Márcio Antônio de Miranda que substitui o Ten-Cel José Joaquim Ramos. O Tenente-Coronel Edil Gonçalves Ramos passou o comando do Batalhão de Polícia Militar Rodoviária - BPMRv para o Tenente-Coronel Sebastião Olímpio Emídio Filho.

O Ten-Cel Marcelo Vladimir Correa assumiu o comando do Grupamento de Ações Táticas Especiais - GATE. O Oficial substitui o Major Ledwan Salgado Cotta. A Companhia de Polícia Militar de Meio Ambiente terá o Major Alex Augusto de Souza à frente do comando, em substituição ao Capitão Valmir José Fagundes.


BLINDADOS

A utilização das viaturas blindadas será pautada na promoção dos direitos do cidadão e na proteção da comunidade e dos operadores do Sistema de Defesa Social


As viaturas blindadas da PMMG não constituem veículos de ocupação, mas de socorro, resgate e de intervenções policiais pontuais em situações de alto risco e complexidade.
O emprego das viaturas blindadas da Polícia Militar de Minas Gerais norteia-se por uma política de segurança pública que busca combater a violência com estratégias alternativas à confrontação e à intimidação. Portanto, as viaturas blindadas não serão empregadas no patrulhamento preventivo em aglomerados urbanos, uma vez que, para tal mister, existem grupos especificamente institucionalizados pela PMMG.

As viaturas foram especialmente projetadas para a Corporação e adquiridas para potencializar a capacidade de resposta a eventos críticos de defesa social, tais como:
- Controle de distúrbios civis;
- defesa de imóveis privados ou públicos que estejam sendo ameaçados de ocupação ou em estado de flagrância de ocupação;
- cobertura aos responsáveis pela reintegração de posse, no caso de imóvel ocupado;
- rebeliões ou motins em estabelecimentos prisionais;
- atuação em áreas urbana e rural, na remoção de barricadas, desobstrução de vias públicas e suporte para operações de restabelecimento da ordem;
- apoio às atividades de defesa civil em ocorrências de sinistros, de fenômenos naturais, de blecautes, crises de abastecimento d'água, que causem impactos nas comunidades gerando a possibilidade de distúrbios e conflitos;
- captura de infratores armados que se encontrem abrigados dificultando a aproximação a pé ou em viaturas comuns;
- resgate de policiais e cidadãos que se encontrem em confrontos armados de alta intensidade;
- cumprimento de mandados judiciais que envolvam variáveis de alto risco e complexidade;
retomada de pontos sensíveis em situações de atentados ou ataques terroristas;

As duas viaturas possuem tração 4x4 e blindagem especial contra disparos de arma de fogo e explosivos, sendo a Viatura Blindada de Ações Táticas Especiais pintada na cor preta e a Viatura Blindada para Controle de Distúrbios Civis pintada de camuflado.



(Jornalista Sheila de Ângelis)



Índia constrói primeiro caveirão elétrico antiterrorista


O carro atinge uma velocidade de 24 km/h e pode circular por corredores estreitos e espaços bem reduzidos


Raveendran
Carro blindado elétrico: combate ao terrorismo em lugares estreitos
Para combater o terrorismo, uma empresa indiana construiu um carro blindado elétrico. Semelhante a um carrinho de golfe, o pequeno veículo pode resistir a explosões de granadas e tem autonomia de até 6 horas proporcionada pelas baterias elétricas. Sua velocidade máxima é de 24 km/h e pode circular por corredores, salas de hotéis e espaços reduzidos.


De acordo com a empresa Metaltech, a ideia de construir o Carro de Assalto Antiterrorista (A-TAC, na sigla em inglês), se deu após os ataques terroristas de 2008 em Mumbai. Naquela ocasião, as forças especiais indianas trocaram tiros com terroristas em corredores e lobbies de hotéis estreitos. Segundo a empresa, com o A-TAC, o confronto seria mais seguro para os policiais. E assim, eles poderiam retirar civis com a ajuda do carro.
A empresa afirma que o carro pode ser adaptado para subir morros, por exemplo. O preço desse pequeno carro é US$ 45 mil, o equivalente a R$ 82 mil.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Escrivão é suspeito de matar investigador
da polícia na zona sul de São Paulo

Crime ocorreu na noite da terça-feira próximo ao 100º Distrito Policial, no Jardim Herculano
Da Agência Record
 
Um escrivão foi preso suspeito de matar o investigador da polícia Coliston Araújo Toríbio na zona sul de São Paulo na noite da terça-feira (16). De acordo com a polícia, o crime ocorreu por volta das 23h30 em uma bar situado no número 179 da rua José Carlos dos Santos Marques, no Jardim Herculano, próximo ao 100º Distrito Policial, onde os dois trabalhavam.

As primeiras informações são de que os dois foram até o bar para comemorar o aniversário de 45 anos do investigador. Após discussão, o escrivão saiu do local, foi até a delegacia, voltou com uma arma e disparou dois tiros contra Toríbio. Uma bala acertou a testa e a outra o coração do investigador. Logo após o crime, o escrivão se entregou no 100º DP.

A vítima foi levada ao pronto-socorro de M'Boi-Mirim, mas já chegou morta ao local. O caso será investigado pela Corregedoria da Policia Civil.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Suspeitos mortos no Jacarezinho planejavam arrastão, diz PM

Segundo polícia, eles iriam praticar assaltos em avenida.
No confronto entre PM e traficantes, oito pessoas morreram.
Os sete homens mortos nesta quinta-feira (11) durante a ação da Polícia Militar na Favela do Jacarezinho, no subúrbio do Rio, planejavam fazer um arrastão na Avenida Dom Hélder Câmara, via próxima à comunidade. A informação é do comandante do 3º BPM (Méier), coronel Álvaro Moura.

Segundo o coronel, policiais do batalhão receberam por meio do Disque-Denúncia a informação do plano de assalto dos criminosos e seguiram até a Favela do Jacarezinho. Com a chegada dos PMs houve intensa troca de tiros e oito pessoas, sendo um cabo da corporação, morreramUma moradora também foi ferida no rosto durante o confronto. 
Apreensão de drogas
Até as 16h desta quinta tinham sido apreendidas na favela 2 mil trouxinhas de maconha, 400 pedras de crack e 1,3 mil sacolés de cocaína.

De acordo com a PM, os agentes apreenderam ainda três pistolas calibre 9mm, duas pistolas calibre 40, dois revólveres calibre 38 e uma carabina. Fonte; G1

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Deputados fazem acordo para votar a PEC 300

10/02/2010 - 14h47
Deputados fazem acordo para votar a PEC 300
Entendimento baixando o piso para R$ 3,5 mil e o salário dos oficiais para R$ 7 mil abre caminho para a possibilidade de votação
Um acordo em torno da PEC 300/08, que define o piso salarial de policiais e bombeiros militares, abriu hoje caminho para a votação da proposta de emenda constitucional até o final deste mês. Um grupo de parlamentares fechou nesta quarta-feira (10) um texto preliminar que estabelece um salário inicial de R$ 3,5 mil para policiais e bombeiros em início de carreira e de R$ 7 mil para oficiais. Os valores ficam abaixo do que as categorias vinham reivindicando. De acordo com a proposta inicial, os pisos seriam de R$ 4,5 mil e R$ 9 mil, respectivamente.
“Há uma tentativa de acordo. Estamos tentando construir um texto de uma emenda aglutinativa. Já conseguimos através de uma grande articulação chegar ao valor de R$ 3,5 mil. Esse salário já era o aceno do governo e, por isso, achamos que não vai haver resistência por parte dos governistas”, disse o deputado Átila Lins (PMDB-AM).
O texto preliminar combina pontos da PEC 300 e da PEC 446, proposta de emenda sobre o tema aprovada pelo Senado. As duas emendas estabelecem a necessidade de um valor salarial mínimo para policiais e bombeiros em todo o país. A PEC da Câmara, no entanto, vincula esse piso ao salário recebido pela categoria no Distrito Federal, unidade da Federação com a maior remuneração, e estabelece valores.
Críticos da PEC 300 consideram que é inconstitucional estipular valores de piso na Constituição. Eles afirmam que, assim como ocorreu com os professores, o valor deveria ser estipulado por lei federal posterior à emenda ser incluída na Constituição, como prevê a PEC 446. Mas, segundo a Secretaria Geral da Mesa da Câmara, pelo menos, duas emendas constitucionais (20/1998 e 41/2003) fixam valores no texto constitucional.
“Vimos que não é inconstitucional. Ontem o presidente Temer reafirmou seu compromisso de pautar a PEC 300, mas disse que havia a necessidade de ajustes, por causa das resistências dos governos federal e estaduais devido aos custos. Temos conhecimento do que representa a vinculação com salário do DF. Por isso, desvinculamos para diminuir o impacto orçamentário da medida”, afirmou o deputado Paes de Lira (PTC-SP), coronel da PM de São Paulo.
Pelo acordo em construção, o novo piso contemplará também os policiais civis e os pensionistas. A proposta preliminar propõe ainda que o novo piso passe a valer assim que a PEC for promulgada. Inicialmente as novas regras davam prazo de um ano para os governos se adequarem aos valores. Os estados que não conseguissem arcar com o novo piso serão socorridos pelo governo federal.
“Estamos avançando e está sendo construída uma saída. Se tivesse mantido o texto da forma como está na PEC 300, ela não passaria no Senado. É importante a mobilização da categoria, mas é importante que se faça pressão já tendo os parlamentares feito articulação. Agora podemos avançar”, disse o deputado distrital Cabo Patrício (PT-DF), presidente da Associação Nacional dos Praças. Fonte: Congresso em Foco -

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Bombeiros e PMs poderão ir para reserva com 10 anos de serviço

A Câmara analisa o Projeto de Lei 6442/09, do deputado Capitão Assumção (PSB-ES), que regulamenta o direito de policiais e bombeiros militares requererem a reserva remunerada proporcional ao tempo de serviço. Segundo o projeto, terá direito à transferência para a reserva o militar que contar mais de dez anos de serviço efetivo.
Para tanto, o interessado deverá encaminhar o pedido ao órgão competente com pelo menos dois meses de antecedência. Esse pedido, no entanto, poderá ser negado se o País estiver em guerra ou sob estado de sítio.
Nessas duas situações, inclusive, os militares que se encontrarem na reserva remunerada proporcional há menos de dois anos poderão ser convocados para retornar ao serviço ativo de bombeiro ou policial militar. Após o fim da guerra ou do estado de sítio, porém, eles poderão requerer o retorno para a reserva remunerada proporcional.
Por outro lado, o militar que for para a reserva a pedido e tiver gozado de seus benefícios por um dia que seja não poderá reingressar na corporação se assim o desejar.
Capitão Assumção argumenta que hoje não existe regulamentação própria para o militar que queira passar para a reserva por motivos pessoais. "É preciso dar direito ao militar que não tem mais vocação e interesse na profissão a requerer sua transferência para a reserva remunerada proporcional ao tempo de serviço que prestou. Mesmo porque aquele que não pretende mais fazer parte da corporação acaba atrapalhando os demais", afirma o deputado.
Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Tiroteio causa pânico no Centro de BH

Landercy Hemerson - Estado de Minas Publicação: 03/02/2010 06:55 Atualização: 03/02/2010 07:04

Suspeitos de tentar assaltar a joalheria foram detidos por  policiais - (Marcos Michelin/EM/D.A Press)
Suspeitos de tentar assaltar a joalheria foram detidos por policiais
Uma troca de tiros entre policiais e suspeitos de assalto a uma joalheria levou pânico e medo a quem passava no começo da noite de terça-feira no quarteirão da Rua São Paulo entre Goitacazes e Avenida Augusto de Lima, no Centro de Belo Horizonte. Até mesmo a delegação da equipe boliviana do Real Potosí, hospedada num hotel nas proximidades, foi surpreendida pelo tiroteio. Os jogadores que embarcariam num ônibus para reconhecer o gramado do Mineirão voltaram rapidamente para o interior do hotel. Um homem, identificado por militares do 1º Batalhão da PM como D. R. M., de 31 anos, foi baleado no peito. Ele seria um dos quatro ladrões que tentaram roubar uma joalheria na área. O grupo pode ser o mesmo que, no fim do ano passado, assaltou uma joalheria na Avenida Augusto de Lima. A ação criminosa foi registrada nas imagens do circuito interno de segurança e a polícia não terá dificuldade para identificar os envolvidos. De acordo com o major Alfredo Veloso, além de Davidson, outros dois suspeitos foram presos pelos militares, mas os nomes não foram divulgados. A ação policial despertou a atenção de funcionários das lojas e escritórios na Rua São Paulo, além das pessoas que passavam pelo local, diante da quantidade de viaturas que surgiram rapidamente. Embora a PM não tenha divulgado maiores informações, foi apurado que militares do serviço velado (P2) constaram a ação dos acusados, pediram reforço e frustraram o assalto. Testemunhas não souberam dizer se quem baleou o suspeito foi um policial a paisana. Porém, D. M. foi socorrido por militares em um carro da PM. Ele deu entrada no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII em estado grave e, até o fim da noite, permanecia no bloco cirúrgico. Os policiais, junto com os dois homens presos, tentavam encontrar outros integrantes da quadrilha, com buscas no Bairro Vista Alegre, Região Oeste da capital. - Wellington A. Oliveira - Colaborador

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

PEC 300 - A NOSSA GUERRA

Companheiros, falta um dia para o início de nosso grande evento. Temos que ir atrás do que nos pertence. A nós não importa se pré-agendaram uma pauta e lá não está a nossa PEC 300. O que nós queremos é que o comprometimento feito por Michel Temer no final do ano passado, de se votá-la no começo dos trabalhos legislativos, compromisso assumido diante dos parlamentares componentes da frente parlamentar em defesa dos PM e BM e de presidências representativas de associações de todo o país, seja mantido.
Esse registro, depois foi alvo de uma reportagem que pode ser acessada na internet, onde em entrevista o Presidente Deputado Michel Temer frisava as prioridades para esse início de trabalho.
Não pensem que vai ser fácil. Afinal, tanto governo como oposição não vêem salários de trabalhadores de segurança pública como investimento. E, estamos falando, conforme a revista semanal Época, número 605 de 21 de dezembro de 2009, de um impacto financeiro da ordem de R$ 3,5 bilhões ao ano (levantamento feito pela empresa Rio Bravo Investimentos).
Mas, unitariamente, temos o apoio da maioria, afinal, até abril, o foco está nas reeleições de 2010.
E todos os congressistas sabem da nossa potencialidade de votos. Por isso a pressão é fundamental. Somos uma categoria totalmente diferente. Somos trabalhadores de segurança pública. Saberemos sensibilizar o colégio de líderes a priorizar a PEC 300 para o dia 3 de fevereiro.
Mas por que na primeira semana de fevereiro? por razões óbvias. Primeiro por causa do comprometimento assumido pelo Deputado Michel Temer. Segundo por que na segunda semana já é prenúncio de carnaval e as bancadas do Nordeste, Rio, São Paulo e Norte voltarão mais cedo para as suas bases ou nem cá virão, inviabilizando o quorum das votações no plenário. Na terceira semana, já é o próprio carnaval. Na última semana muitos não voltarão, emendando o carnaval. Isso é Brasil, companheiros.
Vocês acham que uma matéria dessa magnitude entrará na ordem do dia (matéria prioritária a ser votada em sessão) sem pressão dos interessados? Nunca.
E qual a estratégia do governo e oposição? Empurrar essa matéria até abril. Porque aí se vota os dois turnos nesse mês e a PEC 300 vai para o Senado. No Senado, a PEC 300 (agora com um novo número) vai para a CCJC e, vamos supor que fique mais um mês até que se vote o relatório da PEC 300. Já será maio. Sendo muito otimista, entre maio e junho ela poderá ser votada. Será que nesse período, já que os senadores estarão nas bases em busca dos seus votos, quer seja para o retorno ao senado ou eleição de governadores, eles estarão pensando em votar a nossa PEC 300?
Queremos a votação e aprovação da PEC 300 na primeira semana de fevereiro. Depois, cumprindo-se um prazo regimental de cinco sessões ordinárias teremos a votação do segundo turno na primeira semana de março.
Aí, companheiros, teremos três semanas de março e o mês de abril inteiro para sensibilizarmos o Senado, já que 2/3 deles querem voltar e dependem de nossos votos. Os prazos correm mais rápido no senado.
E a PEC 446 (a ex-41). É o nosso limão. E vamos fazer dela uma boa limonada. A PEC 446 está na CCJC da Câmara Federal. Ela não está apensada à PEC 300 e não pode em hipótese nenhuma ser apensada. Primeiro por que se trata de matéria distinta: uma trata de piso de PMs e BMs, outra trata de PMs, BMs e PCs. Muito cuidado pois parlamentares poderão requerer a apensação de uma na outra para atrasar os prazos. São os lobos em pele de cordeiros.
Mas a estratégia da casa que representa o interesse dos Estados (o Senado) poderá nos ajudar, já que ela fala em piso salarial nacional.
Essa PEC 446 correrá os seus prazos normais até que esteja em condições de ser votada, a exemplo da nossa PEC 300. Terá relator na CCJC, será votada na CCJC, será criada uma comissão especial num prazo regimental de quarenta sessões ordinárias, terá audiências públicas em todo o Brasil e se não for pedido prorrogação de prazo, estará pronta para ser colocada na pauta.
Estamos falando de, praticamente, um ano, pois foi esse o tempo que a nossa PEC 300 teve para chegar no prazo de inclusão na pauta. Entenderam o que os Senadores querem com a PEC 446? Tudo o que se jogar para a segunda metade do ano ou para o próximo ano impossibilitará qualquer conquista nossa. A gente ganha mas não leva.
Esqueci de relatar que houve pressão popular (mais de 6 milhões de pedidos online e mais de 35 mil telefonemas pedindo pela PEC 300). Qual a pressão que houve para se votar em toque de caixa a ex-PEC 41, uma PEC que exclui as pensionistas, que não realizou uma única audiência pública com os trabalhadores envolvidos, que não fala em valor de piso e que deixa para lei federal a criação do piso salarial nacional. Nós somos palhaços?
Vamos transformar a PEC 446 (o limão) em uma limonada. Mas deixaremos os prazos correrem. A nossa prioridade é a PEC 300.
De hoje em diante tentarão tirar o nosso foco com muitas armadilhas. caberá a cada um de nós nos mantermos vigilantes sobre isso. Cuidemos para que os aventureiros não se aproveitem desse momento de união nacional e desvirtuem os nossos propósitos. Afinal, ninguém está saindo de seus lares, com toda a sorte de desconforto para ser enganado com propostas indecorosas. Da mesma forma, peço aos companheiros que nos dão força diariamente, quer seja por telefone ou por e-mail pessoal, que não deixem supostas lideranças tentarem mudar de foco. Estaremos em Brasília por um único propósito: votação e aprovação da nossa PEC 300. Qualquer outra fala é aventureira e malvinda.
Deptado Federal Capitão Assunção